A etiqueta biológica do “macho”

Pfau_imponierend

Fonte: Akarkio.net

O uso de termos e abordagens de uma determinada área por outra é muito frequente e as vezes  uma forma de se compreender determinado fenômenos que de outra forma não seriam de fácil compreensão. Esse esboço é uma reflexão sobre o conceito e rotulo ideológico “macho” e seu desdobramento autoritário sobre a sociedade humana contemporânea.

O ser humano enquanto sua origem animal, possui e mantém uma série de características comportamentais oriundas de sua natureza original. O conceito do macho aplicado e estudado pela ciência em todas as nossas espécies irmãs, primas, cunhadas, tias e avós, no que tange a nós, teve desdobramentos interessantes. O fato de que nossa suposta evolução tenha rompido com os elos de parentesco com nossas espécies irmãs, primas, tias e cunhadas ainda não foi suficiente para uma compreensão mais profunda dos impactos desse processo.
Se por um lado, ao isolarmos uma pessoa e fizermos uma analise física e biológica constataremos suas características iguais e diferentes, a qual será “catalogada” e devidamente “rotulada” dentro de uma sistematização desenvolvida por muitos estudos e pesquisas, como no caso da biologia, usada aqui nesse esboço.
Por outro lado, isso não é e nunca será o suficiente para explicar, entender e muito menos justificar relações de poder, controle e autoridade de uma pessoa sobre outra.
Não podemos descartar sua função útil de entendimento da humanidade enquanto pertencente   da natureza e sua conexão insuperável com todas as outras especies animais, da qual deveríamos, na humildade de seres com a tal “evolução”, procurar manter a harmonia e sustentabilidade de nossa relação nesse mundo do qual apenas somos habitantes e não pessoas donas.
Após essa pequena, necessária e suposta digressão (desvio do tema, será?), vejamos o macho da espécie humana.
O processo de rotulação biológica, útil a outras espécies, quando usado na nossa espécie, cai por terra, principalmente porque é usada de forma arbitrária como justificativa para controle de uma pessoa sobre outra, no caso do suposto “macho” sobre qualquer outra pessoa, indiferente de se pertence biologicamente ou não a divisão clássica e binária macho/fêmea. O machismo em si é dado por alguns elementos, o quais se destacam: o líder alfa, a hierarquia em torno poder, uso da força, todos eles, perceptíveis em estudos biológicos. É possível que encontremos outros elementos, mas esses são importantes, porque são os elos, supostamente de nossa conexão com nossa origem natural, logo um fato que seria “incontestável” por setores opressivos diversos (religiões, instituições hierarquizadas como Estado e exércitos, etc).
Sabemos que esses elementos, criados para o processo de entendimento e pesquisas cientificas; se tornaram também elementos de uso em várias outras oportunidades, nem sempre para estudos e pesquisas, e sim para embasar e justificar relações de opressão e exploração.
Aviso! Será deixado o pouco de biologia, limitada ao pequeno entendimento de quem usou, e entraremos no “reino do macho” da espécie humana, o “machismo” em sua violenta nudez.
Ao contrário de nossas famílias irmãs da natureza, o “macho” deixou de ser um fato biológico simples, e adquiriu uma estruturação econômica, social e cultural de controle e poder, apoiado em uma concepção derivada do machismo, o patriarcado, que será comentado oportunamente mais a frente.
A “de”formação do “macho” é uma construção humana, repetida e mantida a partir de formas de violências diversas.
A violação psíquica que “de”formará o “macho” começa na infância, com o processo de binarismo imposto, supostamente “natural”, menino ou menina com suas devidas “características impostas”.
A vulnerabilidade das crianças as tornam presas das pessoas mais velhas e vinculadas biologicamente(!), vulgarmente chamada de família, pai e mãe. Sabemos que na sociedade moderna do século XXI, a família tem sofrido grandes alterações nesse arranjo supostamente primário e por suposto por muita gente como “natural”, logo, “imposto”. A reprodução de condutas binaristas determinantes levam as crianças a não terem neguma opção enquanto construção de si enquanto ser humano e suas possibilidades, limitando de saída, sua liberdade inerente de ser. A “de”formação do “macho” é uma jornada por um só caminho, o “azul” (descarte as cores dos clubes esportivos por hora), das “coisas de macho”, da luta competitiva entre outros pretendentes a macho líder, o alfa, dentro de um processo de codificação baseado em uma violência graduada conforme a necessidade e uso entre os machos.
Esse processo garante uma estirpe hierarquizada de machos, uns oprimindo outros em um processo de funil. Os machos que não conseguem atingir a ostentação de ser o alfa, que é algo para poucos, descontará sua frustração agredindo covardemente as pessoas mais próximas em seu ambiente. As agressões variam, desde ameaças e xingamentos ao uso da força e armas. Geralmente os ataques são efetuados as pessoas mais vulneráveis, mas que o candidato a macho sente que de alguma maneira precisa demarcar o território contra possíveis ameaças. Crianças, mulheres e pessoas idosas são as mais atacadas.
O patriarcado, citado acima, como derivado do machismo, é a forma de legitimização do alfa, dando poder para um macho, conforme força, esperteza ou tempo de opressão. Concebido a milhares de anos, foi um dos pilares de opressão legitimado pela estrutura de repressão que o cerca, feita por outros machos subordinados a estrutura hierarquizada do machismo.
O machismo somado ao patriarcado resulta em uma sociedade altamente violenta, repressora e discriminatória. Não havia espaço até pouco tempo para que outros grupos fora da estrutura de controle dos machos pudessem se expressar sem serem de alguma forma atacados ou que pessoas pertencentes a esses grupos sofressem retaliações, como perseguições, ameaças e até assassinatos.
Mulheres, pessoas homoafetivas e as variações trans mesmo com o pouco de avanço na luta contra o machismo, continuam atacadas, reprimidas e muitos casos levadas a morte, apenas por questionar e denunciar o machismo como um agressor e opressivo, que mantém a sociedade presa em sua lógica limitada as características acima esboçadas.
Esse esboço foi um exercício antimachista e todas as pessoas se sintam convidadas a efetuar esboços nesse sentido, construindo materiais antimachistas.
Além disso, esse esboço também procurou usar linguagem neutra, chamando a atenção ao binarismo, como fruto do processo que se esboçou. Existe, felizmente a sociedade humana e as pessoas, e pelo qual construímos um processo de transformação, possibilidades de relacionamento entre pessoas além dos modelos opressores e castradores convencionados na força e repressão.
Contra o machismo, a transformação social é necessária!

Os seguros do trabalhador não deixam mais ninguém seguro, o papel de palhaço e outras histórias

3out2014---simpatizantes-da-reeleicao-de-dilma-rousseff-pt-comparecem-a-carreata-da-presidente-do-candidato-ao-governo-de-sao-paulo-alexandre-padilha-pt-do-senador-e-candidato-a-1412362182747_1920x1080

Por Gilson Moura Henrique Junior

A absoluta crueldade do estado para com os trabalhadores jamais foi novidade. A novidade, no Brasil, é que ataques aos direitos dos trabalhadores tenha vindo, pasmem, de um partido nomeado “Partido dos Trabalhadores”.

Não que isso seja novidade também.

Basta que a gente se lembre que o Partido dos Trabalhadores praticamente inaugurou seu primeiro mandato de presidente da república na história com a consolidação da reforma da previdência, um dos mais cruéis ataques aos direitos dos trabalhadores que se tem notícia.

Com esse ataque o governo Lula foi feliz ao acenar ao mercado que sua ação de forma contente agiria mantendo a ampliação da idade mínima para se aposentar, reduzindo direitos previdenciários, criando o fator previdenciário,etc.

Essa reforma foi lida pela mídia à época como “grande vitória do Governo Lula”, e o elogio não foi à toa, mesmo diante da ilegalidade da reforma, dado que os pilares da reforma eram um claro aceno que o então governo “de esquerda” estava fazendo uma gestão econômica que não rompia com os pilares neoliberais herdados do governo FHC, embora fizesse ajustes gerenciais que ampliavam a margem de manobra de investimentos do estado na economia.

Além disso, a manutenção de um tucano na presidência do Banco Central, a instituição de um superavit primário superior aos do governo tucano (ampliando o dinheiro destinado ao pagamento dos juros da dívida pública), tudo gerava um contentamento no mercado financeiro na elite econômica, que havia ficado nervoso com a possibilidade de um governo concretamente de esquerda gerindo o estado brasileiro.

De lá pra cá, tudo foi muito bem gerido no âmbito da relação entre esquerda e governo, entre a publicidade oficial e a organizada militância cotidiana de defesa dos governos do PT que a cada movimento da ampla e irrestrita guinada à direita , para a cada exemplo tático desta guinada ser oferecido ao interlocutor um dado positivo do governo.

A questão é que os dados positivos do governo foram a cada dia escasseando mais sob o ponto de vista do trabalhador e não fugindo muito da existência do bolsa-família, ausência de privatizações às claras e manutenção de direitos dos trabalhadores.

Bem, nem isso agora dá pra ser sustentado diante dos ataques diretos ao seguro-desemprego, auxílio doença e seguro defeso feitos pelo governo Dilma no apagar das luzes de 2014.

O ataque especialmente ao seguro-desemprego e seguro-defeso atingem diretamente a população mais pobre e presente em mercados com maior rotatividade empregatícia ou dependentes do seguro governamental no período onde são impossibilitados de efetivamente trabalharem para seu sustento, caso do seguro-defeso.

Ao criar meios de na prática impedir o acesso ao seguro-desemprego e seguro defeso, o governo tira da proteção estatal um exército enorme de pessoas que dependem disso pra comer. São pescadores que na época de defeso não podem pescar, dado que defeso é o período de proteção à reprodução de espécies de peixes, crustáceos e moluscos marinhos e de rio. São trabalhadores do agronegócio que são demitidos após o término de suas atividades, algo que dificilmente supera seis meses e que ficam sem proteção do estado quando não há mais trabalho a ser executado.

Além disso ser extremamente cruel, a economia de 9 bilhões de reais é troco de pinga, dado que a maior parte do orçamento da república vai pro pagamento de juros da dívida pública através dos recursos obtidos a partir do superavit primário. Ou seja, o governo destina muitos bilhões pros bancos e corta a verba destinada aos mais pobres pra economizar algo que se reduzisse apenas meio por cento do dinheiro destinado aos bancos conseguiria economizar. É uma opção clara atingir direitos ao invés de atingir o pagamento de uma dívida que inclusive tem a legitimidade contestada por auditores da auditoria cidadã da dívida.

Ou seja, o governo Dilma antes mesmo do defunto da credibilidade coletiva em cima de uma surreal e improvável guinada à esquerda por sue governo esfriar já abriu um saco de maldades que dificilmente é feito de um maquiavelismo digno de nota.

Isso sem contar um ministério dos horrores onde uma de suas próceres já anunciou que “Não existe latifúndio no Brasil e os índios é que ‘descem para áreas agricultáveis’”.

A sensação de quem vê de fora é que Dilma Roussef não só apelou pra desmoralização completa da malta de tolos que a seguiu acreditando no marketing do João Santana como resolveu discipliná-los através do escarnio e da crueldade.

Só que para além das críticas e ironias quem será atingido é quem fez parte do que os petistas adoravam dizer: Os quarenta milhões retirados da miséria.

Além de terem sido retirados da miséria sem serem retirados da mira assassina da polícia militarizada, racista e elitista, estes entes foram removidos de suas casas para as obras da copa, tiveram o bioma de onde tiravam seu sustento destruído, foram mortos e assassinados pelo agronegócio reforçado pela posse de Katia Breu como ministra da agricultura e agora ou são impedidos de obterem recursos do seguro-desemprego enquanto ficam sem trabalho a partir da sazonalidade e rotatividade do mercado de trabalho local ou tem de escolher entre o bolsa-família e o seguro defeso nos períodos de defeso onde legalmente são impedidos de pescar.

Ou seja, os quarenta milhões que saíram da miséria tão sendo empurrados pra ela de novo ou pior, vão ser empurrados pro crime ambiental.

Ah, esqueci de lembrar que a maior parte das espécies ameaçadas de extinção no Brasil é de peixes. Assim, além de atacar direitos dos trabalhadores a Dilma ataca o meio ambiente, como se não bastasse o caráter predatório de seu governo.

Então, quando o voto crítico com fome juvenil, toscamente autoproclamada de “Petralha”, arrogantemente ignorava avisos de tudo isso que está acontecendo (Mesmo tudo o que está acontecendo conseguir superar o mais crítico e ácido crítico do governo), não contavam com a astúcia da presidenta que qual um Chapolin colorado do mal ao ser perguntado “E agora quem irá nos proteger?”, agora responde: “Ninguém!’.

Ninguém está seguro diante de não uma guinada à direita, mas A guinada à direita, que já era apontada com a composição do ministério cantada em verso e prosa pela oposição à esquerda do governo que iria acontecer (ministro da fazenda ligado a bancos e agronegócio na agricultura). E essa ausência de segurança é exemplar ao atingir primeiramente o que segurava os trabalhadores em períodos de vacas magras forçadas pelo mercado ou pelas leis ambientais.

Quando nenhum seguro é respeitado a única coisa que nos resta é a luta e se espera que junto a esta luta se alinhem quem outrora latia vulgarmente para uma poesia amestrada em programa eleitoral ignorando os uivos de quem já antecipava o pior.

E é de bom tom que os novos lobos saibam fazer autocrítica de seu papel de palhaço na farsa eleitoral.