[Espanha] Nem inocentes, nem culpados, somente anarquistas!

espanha-nem-inocentes-nem-culpad-1

 em 6 de abril de 2015

Na madrugada de 30 de março, por ordem do Tribunal nº 6 da Audiência Nacional de Espanha, foi realizada a Operação Piñata na qual foram registrados 17 lugares entre os quais se encontram centros sociais em Madri e Granada, assim como domicílios em Barcelona, Madri, Palencia e Granada. 39 pessoas foram detidas, 24 acusadas de resistência à autoridade e usurpação e as outras 13 acusadas de pertencer ou colaborar com os Grupos Anarquistas Coordenados.

A noite, 13 das pessoas detidas foram postas em liberdade com acusações de resistência e desobediência. 11 mais foram postas em liberdade com acusações de usurpação entre a segunda e a terça-feira. As 15 pessoas detidas restantes passaram à disposição da Audiência Nacional com acusações de pertencerem a “organização criminosa com fins terroristas”; depois da declaração, 10 delas foram postas em liberdade à espera de julgamento e 5 foram enviadas a prisão preventiva sem fiança.

Kike, Paul, Javier, Jorge e Javier são os nomes dos cinco companheiros que se encontram na prisão e são relacionados com “atos de coordenação e promoção de sabotagens”, danos em 114 caixas automáticos e estragos em sucursais bancárias; serão investigados também por sua suposta relação com os “artefatos” colocados na basílica do Pilar de Zaragoza e na Catedral da Almudena de Madri.

Esta operação é a continuação da Operação Pandora na qual no passado 14 de dezembro se irrompeu em 14 domicílios e centros sociais e onde se deteve a 11 anarquistas em Barcelona, Sabadell, Manresa e Madri. Sete deles estiveram um mês e meio em prisão preventiva e saíram depois de pagar uma fiança de 3.000 euros cada um.

É necessário recordar que estes supostos atentados em Zaragoza e Madri já resultaram em 55 detenções e 30 registros em 3 operações policiais contra o movimento libertário. Na anterior Operação Pandora as acusações eram tão surrealistas como irrisórias: posse de botijão de gás de camping em casa, ter contas do “Riseup”, atas de assembleias ou livros. Nesta ocasião uma das provas é posse de “dispositivos técnicos de aceso cifrado a WiFi para fazer anônima sua navegação na Internet”.

E não podemos esquecer que, por estes mesmos fatos, Mónica e Francisco continuam em prisão preventiva à espera de julgamento em regime FIES-3.

Os meios de comunicação se encarregam da criação de alarme social que justifique toda a maquinaria repressiva, suas leis são as que querem colocar-nos a mordaça da submissão e da obediência. Nós somos o inimigo a combater, mas nós…, nós não estamos dispostas a calar nem a olhar para o outro lado, sabemos que estas operações não só pretendem sequestrar a nossxs companheiros e companheiras, também estão projetadas para que com sua “onda expansiva” caiamos nas redes do medo e do silêncio que querem inocular-nos até a medula.

Hoje são cinco companheirxs mais xs que nos faltam, cinco companheirxs mais sequestradxs detrás dos muros. A nós cabe demostrar-lhes que não estão sós, deixar claro que sua prisão nos faz menos livres.

Ante isto, nós levantamos firme a cabeça, aguçamos o olhar e estendemos nossa mão para fazer efetiva nossa maior arma: A solidariedade e o apoio-mútuo.

Se tocam a uma, nos tocam a todas!!

Liberdade aos anarquistas presxs, aqui, e em qualquer outro lugar!!!!

Aderentes à Sexta Barcelona

adherentesalasextabcn.wordpress.com

Tradução > Sol de Abril

Conteúdo relacionado:

http://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2015/04/02/espanha-madri-antidisturbios-atacam-uma-concentracao-de-protesto-pela-operacion-pinata-varias-pessoas-feridas-e-6-detidas/

agência de notícias anarquistas-ana

festival de cores
e de excitantes sabores:
são frutas do outono

Otávio Coral

Quando Eduardo Galeano Entrevistou Pocho Mechoso, preso anarquista recém-foragido.

sin-tc3adtulo-31

Fonte: Notícias y Anarquía
Tradução: José Roberto de Luna

Logo após a morte de Eduardo Galeano, vêm muitas lembranças dele, de suas palavras, de seus versos, à nossa mente. Hoje queremos recordá-lo com esta entrevista que fez com o companheiro Alberto “Pocho” Mechoso, militante da Federação Anarquista Uruguaia e de seu braço armado, a Organização Popular Revolucionária 33 Orientales, que se encontrava preso nos anos 70 e conseguiu escapar da prisão depois de várias torturas feitas pelos serviços de inteligência, o que demonstra mais uma vez que a pena de Galeano sempre esteve disposta como uma espada para as lutas do povo; assim, a tarefa de entrevistar Pocho Mechoso Galeano assumiu com a importância que se requer, com a dor de ver a repressão no Uruguai e com a convicção de que uma saída revolucionária e antiautoritária era necessária.

Tendo as devidas precauções de segurança quanto à cruel repressão do governo, Galeano muda de nome e afirma realizar a entrevista na Espanha, embora sendo realizada no Uruguai, para que a polícia pensasse que Pocho Mechoso tinha saído do país e assim pudesse descansar um pouco quanto a isso.

É também preciso lembrar que o companheiro Alberto Mechoso, quem posteriormente fugiu da Argentina, cujo paradeiro seria descoberto pela ditadura do país gaúcho, no dia 26 de setembro de 1976, que o fez desaparecer . Seus restos foram encontrados em dezembro de 2012.

***

A reportagem depois da fuga

A reportagem de Eduardo Galeano com Pocho Mechoso começa dizendo: “O Pastor Georges Casalis, professor da Faculdade de Teologia Protestante de Paris, acaba de denunciar “a evolução fascista dos países do Rio de la Plata”… Referindo-se ao Uruguai… é fim do mundo. Parece que se alcançou o fundo do poço. Nos diz depois Galeano: “Entrevistamos um homem que emergiu do fundo do poço e relata o que sofreu e viu… Fugiu do quartel no dia 21 de novembro, em uma ação espetacular… Ainda urina sangue, não recuperou a sensibilidade da mão direita e duas de suas costelas permaneceram afundadas pelos pontapés que lhe deram os oficiais.

Tem pressa, entretanto, de retornar ao Uruguai. “Volto para me incorporar à luta”, nos diz. “A luta se dá tanto dentro do quartel, na tortura, como fora, na rua…”.

Pergunta Galeano: Você foi torturado desde o princípio?

Pocho: Sim… queriam que eu lhes dissesse onde estava a Bandeira dos 33 (uma bandeira insígnia no Uruguai, recuperada pela guerrilha anarquista), que a OPR pegou do Museu Histórico Nacional. Também queria que lhes falasse do sequestro de Molaguero…”.

Pergunta Galeano: Mas se você não tinha falado, era preciso que fugisse?

P. Não me iam deixar sair em liberdade. Eu sabia disso. Me pôr em liberdade era como deixar clara sua impotência, o fracasso de seus métodos.

G. O que você viu?

P. Bem, mas do que ver eu escutei. Porque estive encapuzado todo o tempo. Mas não há pior tortura do que sentir como torturam as outras pessoas. No Quinto de Artilharia tinham um menino de seis anos preso junto a seu pai e a sua mãe. O menino escutava os gritos da mãe quando a estavam torturando. Torturavam o marido de uma mulher grávida de sete meses na sua frente no 2 e 3 de infantaria… vários casos de estupros…

G. E agora?

P. Quando você vê bem claro como são os inimigos, que outra coisa pode fazer que não voltar e ocupar seu posto? Se algo se percebe bem dentro do submundo dos quarteis do meu país, em meio ao bastão de choque, ao cavalete, ao submarino, é de qual lado da trincheira sempre se tem que estar. Eu vou estar de novo metido entre o povo. Um referente de luta da minha classe. Lutando. Ali vou me reencontrar com meus filhos, também com meu irmão. Agora perseguidos os dois.

G. Mas, depois da fuga, andaram te procurando por todos os lados. Vai ser difícil pra você ficar no Uruguai?

P. Isso está claro. O momento é muito difícil para todos os que lutam. Sei que para mim é coisa de “Liberdade ou Morte”, como diz a Bandeira dos 33.

(Chile) Propaganda pela solidariedade internacional anti-autoritária com os compas presos na Espanha.

HH

Fonte: ContraInformate

SOLIDARIEDADE REBELDE COM OS ANARQUISTAS PRESOS NA ESPANHA

NENHUMA AGRESSÃO SEM RESPOSTA!!!

Frente à nova operação repressiva que no dia 16 de dezembro deixou uma dezena de espaços anarquistas invadidos pela polícia e 7 companheiros anarquistas prisioneiros no Estado espanhol acusados de terrorismo, nossa resposta não pode ser outra que não a multiforme solidariedade anárquica internacional em ofensiva permanente contra todas as formas do domínio.

Que nossos companheiros sintam o calor da solidariedade e nosso inimigo arda no fogo da luta anti-autoritária pela liberdade.

NEM CULPADOS NEM INOCENTES, SIMPLESMENTE INIMIGOS DO PODER E DE TODA AUTORIDADE!

MÓNICA CABALLERO, FRANCISCO SOLAR, GABRIEL POMBO DA SILVA E TODOS OS COMPANHEIROS PRESOS NA ESPANHA E NO MUNDO, VAMOS PRA RUA!!!!